FICHA TÉCNICA

Cristo Redentor é uma estátua art déco que retrata Jesus Cristo, localizada no topo do morro do Corcovado, a 709 metros acima do nível do mar, no Parque Nacional da Tijuca, com vista para a maior parte da cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Em 2007 foi eleito informalmente como uma das sete maravilhas do mundo moderno. Em 2012 a UNESCO considerou o Cristo Redentor como parte da paisagem do Rio de Janeiro incluída na lista de Patrimônios da Humanidade.
A estátua é feita de concreto armado e pedra-sabão, com trinta metros de altura, sem contar os oito metros do pedestal, e seus braços se esticam por 28 metros de largura. Pesando 1145 toneladas, é a terceira maior escultura de Cristo no mundo, menor apenas que a Estátua de Cristo Rei de Swiebodzi na Polônia e a de Cristo de la Concordia na Bolívia.

Cristo Redentor: O maior monumento Art Deco no mundo

Em 2021, a estátua do Cristo Redentor, abraçando o Rio de Janeiro no topo do pico do Corcovado, completa noventa anos. Construir a maravilha escultórica em concreto armado de 125 pés de altura em 1931, no cume de uma montanha de granito de 2.300 pés de altura, foi um desafio comparável à construção das pirâmides, possível apenas com a engenharia de ponta da época. Gerenciado desde a sua criação pela arquidiocese do Rio, "O Cristo", como os cariocas chamam seu amigo monumental estimado como símbolo cristão no maior país católico do mundo, é acima de tudo um metônimo de espiritualidade, independentemente de fé ou credo.

Tão icônico quanto a Estátua da Liberdade em Nova York e a Torre Eiffel em Paris, o monumento Art Deco mais alto do mundo, "O Cristo Redentor", gradualmente se tornou um símbolo ecumênico para o Rio, o Brasil e a América do Sul. Brilhando no céu noturno, é um emblema mundial de fraternidade. Desde a sua inauguração, está estampado em cartões postais e pôsteres de viagens da Cidade Maravilhosa, como o Rio costumava ser chamado, registrado em filmes gravados na paisagem hipnotizante do Rio e até inspirando canções famosas da Bossa Nova, como o Corcovado de Tom Jobim, de 1960 , gravadas por artistas que vão de Sinatra ao tenor Bocelli.

O monumento, idealizado pelo arquiteto nascido no Rio Heitor da Silva Costa (1873-1947) e esculpido pelo artista francês Paul Landowski (1875-1961), foi o tema central da Conferência Paul Landowski, realizada em março de 2019 na Saint-Quentin's Palais de L'Art Déco, no departamento de Aisne, no norte da França. Os dois principais convidados das palestras foram dois profissionais nascidos no Rio: Marcio Roiter, fundador e presidente do Instituto Art Deco Brasil, e o arquiteto e urbanista Mauricio Prochnik.

Na segunda metade de 2020, com um orçamento de 12 milhões de dólares, um projeto idealizado por Prochnik para a celebração de nove décadas da obra-prima Art Deco renovará todo o local, que nos últimos cinco anos saltou para uma visita anual de dois milhões de turistas. O arquiteto renovou vários museus e instituições culturais do Rio e, por coincidência, tem o monumento de Cristo em seu DNA. Seus pais eram arquitetos envolvidos em diferentes períodos com as obras ou a listagem do monumento como uma das Novas Sete Maravilhas do Mundo e no Patrimônio Histórico Nacional do Brasil. Autor da última reforma da obra arquitetônica em 2003, o segundo projeto de Prochnik, iniciado em 2013, foi finalmente aprovado por uma série interminável de licenças burocráticas, entre elas a arquidiocese do Rio e a prefeitura, bem como a Associação dos Amigos do Parque Nacional da Tijuca . A associação é responsável pela floresta da Tijuca, a maior floresta urbana do mundo, onde fica a montanha do Corcovado, coroada pelo colossal Cristo Redentor, abençoando o Rio de Janeiro e todos os seus moradores ricos e pobres, como nós, brasileiros, fomos trazidos até acreditar.