FICHA TÉCNICA

RICARDO NAUENBERG é um artista multimídia, com atuações no cinema, vídeo arte, instalações e fotografia, tendo começado na pintura. Sua fotografia não é jornalística. Sem abandonar suas origens, são imagens gráficas com estudos de luz e sobre texturas, que podem ou não contar histórias. São antes de tudo pesquisas sobre formas. Mesmo quando se dedicava à fotografia de moda e publicidade, as imagens eram organizadas como pinturas onde a forma minimalista ditava a estética. Estudou pintura com IVAN SERPA antes de se dedicar à fotografia. A partir da nova opção estagiou no lendário ESTUDIO PLUG, comandado por DAVID DREW ZINGG, ANTÔNIO GUERREIRO E EDUARDO CLARK ( filho de Lygia Clark), sendo por alguns anos assistente de DAVID. Como uma evolução, abraçou o cinema, tendo trabalhado na TV GLOBO como diretor por mais de dez anos. Retomou a fotografia com o ensaio ENTRE TERRA, que originou um livro publicado e uma exposição de grande porte no Centro Cultural dos Correios.
Suas produções são administradas pela sua produtora INDUSTRIA IMAGINÁRIA, entre longa metragens, programas de tv, instalações e ensaios fotográficos.

RICARDO NAUENBERG - fotógrafo

RÁPIDA CRONOLOGIA

O primeiro contato com a arte foi através da pintura, estudando com Ivan Serpa no Centro de Arte Bruno Tausz. A partir da técnica de colagens onde precisava achar ou produzir imagens para inserção nas pinturas, aconteceu o primeiro contato com a fotografia.

Aos 13 anos foi estagiar no famoso ESTÚDIO PLUG de Antônio Guerreiro e David Zingg, onde se aproximou da fotografia de moda e publicidade. Três anos mais tarde, precocemente, montou um estudio próprio trabalhando para as principais revistas do mercado (como a VOGUE), jornais (O GLOBO) e agências de publicidade, com fortes influências de um grafismo minimalista, coerentes com sua formação na pintura de arte. A ligação constante com a fotografia de arte proporcionou uma exposição individual na GALERIA IPANEMA, ampliando os horizontes de seus trabalhos.

No estúdio PLUG estabeleceu sólidos contatos com a REDE GLOBO DE TELEVISÃO, que o incorporou em seus quadros, inicialmente como Diretor de Arte e posteriormente como Diretor de Programas, cujos trabalhos lhe renderam prêmios internacionais nos Festivais de Nova York e no Projeto Leonardo em Milão.

Doze anos mais tarde fundou sua produtora, a Indústria Imaginária. Seguiram-se anos com uma produção mais ligada ao cinema e televisão até que em 2015 redescobre a fotografia com o projeto ENTRE TERRA que resultou em uma exposição individual no Centro Cultural dos Correios que durou seis meses, e um livro de arte. A partir dessa redescoberta, a produção fotográfica é retomada em bases constantes, com projetos diversificados em andamento. Em 2020 conclui SUPERFÍCIES, um ensaio sobre o deserto do Arizona e UTAH retratando também a natureza em volta.

O trabalho de Ricardo Nauenberg não é jornalístico. Sem abandonar suas origens, são imagens gráficas com estudos de luz e sobre texturas, que podem ou não contar histórias. São antes de tudo pesquisas sobre formas.